segunda-feira, janeiro 14, 2013

mantenha distância

pompéia/ itália/ arquivo pessoal

mantenha distância
era a placa invisível pregada em seu peito
mas não obedeci e fiquei perto
toquei em sua pele em seus cabelos
e descobri que não tinha alma nem alegria
mantenha distância eu sabia disso
e me mantive ainda agarrada  ao seu sorriso de estátua
me mantive agarrada ao sonho que um dia iria mudar
e fazer você vomitar alguma emoção
naquela noite tomamos uma garrafa de uísque
e percebi alguma coisa saindo de seus olhos
alguma tristeza perdida alguma melancolia
por  um momento
mas quando vomitou era apenas a bebida azeda
que seu estômago não absorveu
sua alma estava pra sempre perdida em algum inferno
e mantive distância de você de mim de tudo de todos

5 comentários:

Leonardo B. disse...


[maior a distância

que no outro,
se percorre duma ponta a outra,

dentro de nós.]

um imenso abraço, Adriana

Leonardo B.

Assis Freitas disse...

nunca existe navegação tranquila mesmo à distância, o vento e as velas e os sargaços imantam um peito de temporais, há que se beber o inferno nos dias,



beijo

Mauro Lúcio de Paula disse...

Adriana,
nunca conseguimos manter as distâncias; a geográfica, precisamos apenas dos pés e da vontade; a sentimental, necessitamos da alma e da oportunidade.
saudades

L. Rafael Nolli disse...

Visceral.

John L.S. disse...

Boa construção.

John L. S.