terça-feira, janeiro 08, 2013

volta

 
  
                                                      nova viçosa/bahia/ janeiro 2013/
 voltei e meus braços são compridos como as estradas

mesmo com o mar nos olhos as montanhas me fascinam

um cansaço aflito se instala no corpo
minhas mãos não estão ágeis

e a cabeça pesa mais que a chuva e o calor

as palavras estão escondidas em algum canto de mim

me lembro de um cão perdido que rondava a casa da praia

e disputava o lixo com os urubus todos os dias

da lua no fim do tarde e do sol se pondo como em um filme

de quando o mar ficava vermelho até o anoitecer

e eu ficava lá até o escuro

e tinha a madrugada e eu dormia

3 comentários:

Leonardo B. disse...


[quando reclamadas frágeis
as palavras que nos conduzem,

possamos pelas mãos erguer
uma raiz

e dentro da palavra, o dia.]

um imenso abraço, Adriana

Leonardo B.

danilo disse...

o mar
como o amor
eh misterioso
e vario
e grande
e largo
e nos consome em misterios
e nos afoga em afagos
de serenidade
as montanhas de minas,
bem, as montanhas
querem nossa imersaoem suas
quietudes
sem estrondos
sem gaivotas.
o mar e a montanha:
lados diversos
de nos.

abraços
danilo
um grande 2013

Assis Freitas disse...

poema-filme-mergulho

tão bonito, tão



beijo