sexta-feira, dezembro 12, 2008

Epifania

Disseram que eu não tinha nada a dizer naquela noite
Disseram que era melhor eu me calar
E me deitar fechar as janelas
E esquecer tudo no sonho

Mas eu vi e ouvi coisas que só os anjos ouvem
Naquela noite deslizei sobre as cabeças
E pude entender cada um que estava ali

Percebi quem eram aquelas pessoas
Conheci seus jogos e as cartas que tinham
Ouvi coisas que não falaram
E músicas que não cantaram
Sonhei seus sonhos abissais

Olharam para mim e viram olhos assustados
Assustados ficaram com meus olhos

Disseram para eu me calar
Mas eu não falava
Meus olhos diziam o que eles eram

Disseram que era melhor eu me calar
Fechar as jenelas e esquecer tudo no sonho
Mas meus olhos não dormiam

6 comentários:

pianistaboxeador21 disse...

" fechar as janelas e esquecer tudo no sonho".

Muito bonito. Lembrou-me um conto do Caio Fernando Abreu, agora não me lembro do nome.

Abração e força,

Daniel

pianistaboxeador21 disse...

" fechar as janelas e esquecer tudo no sonho".

Muito bonito. Lembrou-me um conto do Caio Fernando Abreu, agora não me lembro do nome.

Abração e força,

Daniel

Luciano Fraga disse...

O mundo de superficialidades nos conduz em direção ao silêncio e à covardia.Como permanecer indiferentes? O poder da sua poesia permanece de olhos abertos, sem sono, isso é ótimo...Grande abraço.

On The Rocks disse...

é de sonhos que também se vive...

misterioso, ele chega como não quer nada e embarcamos para bem longe, onde nada pode nos alcançar.

fico puto quando acordo!

bj

anjobaldio disse...

Muito bom. Grande abraço.

Lord of Erewhon disse...

Bonita, sua poesia.