terça-feira, novembro 25, 2008

até ontem

Vim como quem não quer nada
E entrei na noite como se dela tivesse nascido
Até ontem não gostava das pessoas do dia
Não gostava das cores, do calor
e de tudo que se fazia de dia

Entrava na noite e nela me perdia
com os olhos fundos, a cara pálida
Encontrava gente com essa mesma cara
Às vezes muito maquiadas
E pareciam artistas de cinema-mudo
Olhava para elas como se soubesse o que faziam ali
escondidas no fundo dos bares ouvindo blues e jazz
o nariz e os olhos dançando

Reconhecia quem era da noite
e quem estava ali vindo do dia
Podia pensar que eram felizes
Suas roupas brilhavam e brilhavam seus cabelos
Falavam dos poetas góticos e dos impressionistas
dos beatniks e do cinema francês
Conheciam um bom vinho e a pior cachaça
e pensavam que podiam mudar alguma coisa
neste mundo tão pobre
e mesmo nobres
comiam pão com mortadela.

E eu vim com a noite e nela me escondia
E me encantava com a vida desse seres
E fazia parte desse mundo escuro
de pouca luz e gestos serenos

Até ontem gostava desses seres
E podia ser um deles
Mas hoje vi a luz do sol
E deixei que aquecesse minha cama fria

16 comentários:

Barone disse...

Adorei.

anjobaldio disse...

Muito bom. Grande abraço.

pianistaboxeador21 disse...

Simplesmente lindo. Eu tb já fui um desses da noite e senti as mesmas coisas, mas agora tb sou do dia e o dia é bom.

Abração,

Daniel.

Obrigado pelos comentários generosos.

Luciano Fraga disse...

São as faces da moeda da vida, noite/dia, adoro as criaturas noturnas,mas é imprenscindível o calor e a luz do sol em nossas vidas, em nossas camas, muito legal, sucesso, beijo.

Anônimo disse...

Ainda sou da noite, você lembra...muito bonito o seu poema. Um beijo. R.B.

Adriana disse...

Gente, obrigada pelos comentários. Beijo. Adriana

Luciano Fraga disse...

"antes de existir o silêncio, existia a voz..." VOZ,obrigatória e devidamente linkado, abraço.

Assis de Mello disse...

Oi Adriana,
Belíssimo poema e estou lendo outros também maravilhosos por aqui.
Estou te anexando ao meu blog.
Um beijo,
Chico

On The Rocks disse...

belo poema.

a noite é encantadora. adoro!
prefiro do que o dia. as tardes são terríveis... no finalzinho é que começa a melhorar.

sou da noite e é nela que me realizo.

bj

Barone disse...

A poesia é um ato solitário, fruto do que há dentro de nós. Nesta segunda-feira, um projeto simples pretende imprimir na solidão da poesia um sentimento de coletividade, de coisa feita ombro a ombro. Trata-se do projeto Poema Dia, um blog (http://poemadia.blogspot.com/) no qual cada dia do mês é adotado por um poeta ou mini-contista que, neste dia específico, posta um trabalho de sua autoria.

Nossa nau partiu nesta segunda-feira (1º de dezembro) com 15 tripulantes, outros embarcarão pelo longo caminho. Singraremos os mares bravios da literatura e da sensibilidade. Convido-os a compartilhar esta viagem conosco.

fred disse...

Muito bom, Adriana.
Beijos

Three Love´s disse...

"até ontem"
só o título já confere uma expectativa incrível ao texto, que parece pontuar muito mais que uma descoberta, um renascimento.

enfim, amei!

b.e.i.j.o.s.

anjobaldio disse...

ôi, lá no anjo baldio tem um novo vídeo-poema. Grande abraço.

pianistaboxeador21 disse...

Só vim aqui pra te agradecer pelos comentários sempre tão genenrosos.

Abração,

Daniel

Mirse disse...

Nossa, Adriana!

Li seus textos todos e parei nesse por enquanto!

Estou maravilhada com sua alma poética e feminina ao extremo!

Prabéns, amiga!

Hoje vou dormir mais leve!

sei que há vida sobre a terra!

Beijos

Mirse

Adriana Godoy disse...

Mirse, não sei o que dizer. Fico feliz demais por isso. Mas os poemas têm tantas faces. Irônicas, tristes, amorosas, descrentes, imaturas, maduras,tenebrosas, etc, etc. Se você gostar, já valeu a pena. Um beijo.