quinta-feira, agosto 27, 2009

CÓDIGO DA VIDA


SE LEONARDO DÁ VINTE
PEDRO DÁ DEZ
MIGUEL DÁ CINCO
VOCÊ NÃO DÁ NADA!

QUE TIPO DE HOMEM
PENSA QUE É??

VAI DAR COM OS BURROS N'ÁGUA!
MISERÁVEL, FILHO DA PUTA!

(imagem: acho que é do rafael godoy, estava no meio de seus trabalhos sem assinatura)

21 comentários:

nina rizzi disse...

filho da puta é esse bloguer que não atualiza as coisas :s

esse cara, fióta, é fii do cão memo. se tu quisé eu meto a peixeira sem dó nem piedade. que, sabe, aqui só tem cabra macho. humpf!

eu ADORO muler (e literatura) se empoderando. demais, dri.

beijo.

tonhOliveira disse...

É dando que se recebe!

DEZ pra ti Adriana!

Obrigado pela visita.

José Carlos Brandão disse...

tá brava, hein?
mas a vida é assim: dando e apanhando.

beijo.

Hercília Fernandes disse...

Adoro esses poemas provocativos, Adriana. Dou-lhe cem, duzentos, mil!...

Quanto ao outro... deixa pastar!...

Um beijo, querida!
H.F.

Renata de Aragão Lopes disse...

Mineiro sabe xingar
quando quer! (risos)

Beijão, Dri!

Mirse Maria disse...

Quisera ser assim!

A M E I!

Só você Dri!

Beijos

Mirse

Talita Prates disse...

Eeeeeeeeeeeeeeee, a-do-rei!!! Hahahaha.
Xingar é catártico...
Xingar com estilo, como tu fazes, é duplamente catártico! rs

Bjoo, Adriana!

Luciano Fraga disse...

Querida poeta, essa é a lei! botou pra f... sem temeridades.Nem que fôsse uma só,mas bem dada...Parabéns, beijo.

BAR DO BARDO disse...

que boquinha mais suja, menina...

ainda bem que é assim!

beijo, dri!

pianistaboxeador21 disse...

Danado de bom. Tem um quê de popular, uma simplicidade meio Drummond, mas um Drummond desbocado, sujo.
Às vezes a gente tem mesmo é que xingar, nénão? De filho-da-puta em diante. Só assim pra se exorcizar certos demônios.
Beijo.

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana, gostei do aspecto inusitado e despojado do poema ! Bj.

Lara Amaral disse...

Curta e grossa, como se deve ser às vezes.
Abração!

Lou Vilela disse...

Gostei do título, da imagem e do atrevimento. rs

Bjs

Vinícius Paes disse...

Ah, gostei muito, Adriana.
Mesmo, a irônia, e a explosão no final. Demais, mesmo.

beijos.

Isabel Estercita Lew disse...

Adri, vc deu tudo, amei garota, não pára de me surpreender caralho!

Estercita

Adriana Godoy disse...

Meus queridos, não sei o que dizer desse poeminha catártico, mas é o que acontece comigo, às vezes. O palavrão é inevitável nesse caso...obrigada pelos comentários tão especiais e solidários(rs). Beijos.

guru martins disse...

...simplesmente
fuderoso!!!

bjs

Rossana disse...

hiahiahahaa
eu adorei!

Beijos
Rossana

Anita Mendes disse...

kkkkkkkk! adoro o teu lado ácido e cruel ,drika!
beijocas...
Ps: voltei morrendo de saudades de vcs!

sopro, vento, ventania disse...

é a primeira gargalhada do dia. Obrigada, por isso. Adorei! Pra mim, o palavrão é imprescindível; se não colocar uns pra fora de vez em quando, fico louca.
Um beijo.
Cynthia

Cunhadão disse...

Mil!