sábado, setembro 21, 2013

lobos



 
 
 
 
quando lobos da cidade com seus olhos de neon
sobem solitários a ladeira fria do bairro
mesmo que não tenha lua e a noite seja de ventos
pensam em suas vidas na fumaça e no uísque que deixaram nos bares
nas mulheres que beijaram e juraram ser únicas
pensam que amanhã pode ser diferente mesmo sabendo que não
entram em casa e olham suas mulheres
dormindo amassadas e quase puras e os filhos no quarto ao lado

esses lobos viram anjos subitamente
vestem a camiseta branca e escovam os dentes
como se fossem limpar os restos do pecado
desejam bons sonhos em silêncio
se enroscam em suas mulheres sob o edredon macio

à noite se esquecem e voltam aos lugares perdidos
beijam mais mulheres e bebem mais uísque
marcam seu território com mãos, línguas e histórias inventadas
e a lua aparece azulada e tímida
esses lobos uivam e seus olhos são de neon 
 
 
(republicado)

3 comentários:

Leonardo B. disse...


[esses lobos que habitam

nas esquinas
esquecidas,
em todas as ruas do mundo]

um imenso abraço, Adriana

Lb

Assis Freitas disse...

um poema para uivar junto



beijo

Vince Vinnus disse...

Adoro poesias
& lobos

parabéns pelo ótimo blog
voltarei mais vezes aqui.