quinta-feira, agosto 23, 2012

cenas de rua



no vago tom da noite
a árvore parada e morna
com seus galhos feito mãos inúteis
assombram os que passam distraídos
o passeio é um deserto esticado
 a rua com asfalto recente geme
quando carros deslizam loucamente
com suas buzinas ensurdecedoras

do outro lado da rua
um homem fuma solitariamente
não sorri, apenas olha a fumaça que sobe
a moça passa: "tem fogo"?
nesse momento o seu corpo é uma fogueira
a moça mostra o cigarro apagado e ergue a mão
"tem fogo?"- repete
ele todo é uma fogueira
a moça sorri com o cigarro apagado
o homem arde e olha a fumaça que sobe
a moça já virou a esquina

um cão atravessa a rua
as pessoas dormem com janelas fechadas
a luz vermelha e azul do carro de polícia
a sirene que berra
um bêbado solitário conversa com a noite
uma lua pálida no céu
o homem com um cigarro aceso entre os dedos
caminha lentamente para nenhum lugar

(republicado)

15 comentários:

Leonardo B. disse...


[fragmentos do mundo que caminha para lado nenhum,

ardendo.]

imenso, Adriana

Um imenso abraço,

Leonardo B.

Assis Freitas disse...

eu engendro tuas palavras como um filme noir, peço um blues e um conhaque,



beijo

Tania regina Contreiras disse...

A noite é minha paisagem mais íntima. Não há sol, mas tudo, tudo arde.
Isso é poesia que me alcança.

Beijos,

Marcos Satoru Kawanami disse...

Adriana,

Nós certamente temos fogo, sendo fumantes... hehe

=)
Marcos

BAR DO BARDO disse...

reler não é ler de novo
é ler renovado

busca...

(bom texto - republique outros)

Luciano Fraga disse...

Adriana querida, nosso cotidiano que dança, imperceptível pra muitos, dolorido pra nós, cruel pra tantos.Entre uma tragada e outra, vagamos. beijo.

Adriana Godoy disse...

Leonardo B, um grande abraço. Beijo.

Adriana Godoy disse...

Assis, gostei da ideia. Beijo

Adriana Godoy disse...

Tânia, lindas palavras. Valeu. Beijo

Adriana Godoy disse...

Marcos, certamente temos fogo sempre. Beijo

Adriana Godoy disse...

Bardinho, como ando numa onda meio desinspirada, de quando em vez republico alguns. Valeu demais e sempre. Beijo

Adriana Godoy disse...

Luciano, poeta querido, entendi o recado. Valeu mesmo. Beijo

Davi Machado disse...

Tanto ritmo. O cotidiano visto com este olhar, esse olhar quase perto.
Muito interessante teu poema, além de bonito.

Adriana Godoy disse...

Davi, agradeço suas palavras.
Abraço

Tati disse...

Uau, que riquíssimo teu conto poético.
gostei da alienação dos players: o único verdadeiramente lúcido é o bêbado, que conversa com a noite. Lindo. Encantador