terça-feira, março 16, 2010

you are lady




resta nada mais que um resto de café na garrafa
um frango gelado que não tive coragem de comer
por pensar como viveu triste e apertado na granja
tomando bicadas de seus irmãos e ferido
achando que sempre era dia

resta um último cigarro que deixei pra hoje
e não acho a hora certa de falar com você
e dizer que não dá mais
que sou o frango
apertado na granja e querendo a noite
uma vez só pelo menos uma noite
era o que queria dizer hoje pra você

mas o dia está enorme claro quente
a noite não vem nunca e ouço "you are lady"
que você cantava pra mim

24 comentários:

Mirse Maria disse...

Caramba DRI!

Raridade, o vídeo que tanto amei um dia loooooooooonngggeeeeeeeeee!

Há sempre restos em nossas vidas. Uns ainda dá para engolir, mas a maioria, é intragável.

Tadinho do frango!

Beijos

Mirse

Fabio Rocha disse...

Nossa, triste. Mas, acredite, superável... Beijoe e abraços

Leonardo B. disse...

[nos limites, procuramos sempre não o lado da granada, mas o do detonador... a palavra solta-se, revolta e acalma o tempo, qual Lázaro necessitando de nova ressurreição]

um imenso abraço, Adriana
que de quatro se fazem dois braços

Leonardo B.

Marcelo Novaes disse...

Adriana,



Está bem dito. E transcende os metros quadrados do recinto, Abraçando a Noite com a Voz.






Beijo.

nina rizzi disse...

eu poderia ter escrito isso, dri. opdia sim, como um frango que chora sabendo que vai ao abate.

eu sou vegetariana.
e te abraço.

Assis de Mello disse...

Putz... Terminei de almoçar frango... acho que vou chamar o Hugo... O sonrisal já tá na mão...
Mas, mudando de frango pra ganso... adorei o poema, Adrianaa !!!
Bjão do Chico
gorf... gorf gorf...

Vinícius Paes disse...

Lindo, Adriana, da trilha sonora às palavras. Lindo.

Beijos.

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana,

linguajar poético fluido e descontraído, focando com simplicidade coisas da vida, do cotidiano, como ja ressaltei em outros comentários. Poema lúdico, leve e ao mesmo tempo expressivo em sua temática. Bj,

Úrsula

Sylvio de Alencar. disse...

Ahhh, quantos pensamentos..., de quantas maneiras..., sentimos a falta de uma pessoa ao nosso lado de vez em quando.

Lara Amaral disse...

Adorei a música, e tbm ver vc assim, tão cômica e melancólica, tão vc, do jeito que me identifico =).

Beijo, querida!

Danilo de Abreu Lima disse...

ô adriana, continuo achando bão demais da conta ler seus textos... uma coloquialidade, um humor inteligente, uma tristeza contida neste poema, que não sse grita, mas se sente no fundo do coração.
ah, estive viajando e só hoje abri o blog- sobre o seu poema relativo aos cavalos, sim, tem muito a ver com o meu- no meu, trato de dessemelhanças entre homens e bichos, aliás um tema recorrente- no seu, também esta singularidade entre homens e bichos- e muito lindo, bem escrito e meio assim épico- na minha visão...
gosto demais de ler seus textos- encontro neles aquela simplicidade de posturas perante a vida, em versos bem elaborados e com aquele ar de nostalgia, dor, muito blues seus textos- sempre os imagino na voz de uma cássia, de nina simone, ou de outras feras...
Abraç~çao, poetea, e pararaabes pelo seu/nosso dia- o0 dia da poesia- que tem que ser todos os dias.

Lord of Erewhon disse...

Ser frango só pode ser duro... ;)

Beijinho.

Adriana Godoy disse...

Oi, gente, ando meio sem tempo.Mas li com carinho e cuidado cada comentário e adorei. É bom saber outros pontos de vista, outras percepções. Valeu mesmo! Beijos




Danilo, vou conferir de novo. Valeu demais. Beijo.

guru martins disse...

...pô
céu aberto
dia ensolarado
quente
um cara cantando
pra voce
e voce
com inveja
do frango oprimido?

bj pra tirar a letargia

Por que você faz poema? disse...

A saudade é feita de restos.

Luciano Fraga disse...

Adriana querida, triste e genial, diferente, assim faz a diferença, só você mesmo, beijo.

Luciano disse...

Drica, sempre se emocionando... adorei o vídeo e a poesia do texto, deu saudades dos tempos de criança na casa dos meus pais, da companhia dos irmãos mais velhos, da Rádio Continental AM e por aí vai.
Bjs em ti, menina

[ rod ] ® disse...

Os pedidos tomam sinais de anseios se no meio de tudo o amor ainda florece, grita e exige sua parte no todo.

Bjs moça e obrigado!




Hoje estou tanto no dogMas quanto na Confraria!

http://confrariadostrouxas.blogspot.com/2010/03/dama.html

José Carlos Brandão disse...

Adriana, querer ter fé já é ter fé e querer amar já é amar. Por mais que seja um dia de frango e a noite não venha, a noite que pode ser de caldo de frango, sempre há o sol de dia e as estrelas á noite.
Gostei.
Beijo.

Lou Vilela disse...

Bela construção, Dri! - e com a sua marca.

Beijos

pianistaboxeador21 disse...

Bonito e triste.

Beijo

sopro, vento, ventania disse...

bom, e não é o fim da linha, nunca, nè? "mas o dia vem enorme e quente". Lindo! Uma luz no fim de tudo, sempre.
Melhor pensar assim. Assim, sei lá, terá valido a pena.
Beijo,

BAR DO BARDO disse...

Isso é uma tragédia ultra.

Ianê Mello disse...

Há momentos em que o amor sufoca.

Precisamos de ar...

Belíssimo, simples e sincero.

Amo essa música.

Bjs.