domingo, dezembro 13, 2009

quando a escuridão

desenho de carlos carah
a luciano fraga


quando a escuridão parece mais escura que é
e você está no meio do mar em um pequeno bote
vê uma mancha preta maior que a escuridão
pensa que não haverá mais jeito
desta vez não tem saída
então olha para cima e não vê estrelas
olha para baixo as águas são geladas e negras
você ali no pequeno bote
no meio daquele oceano imenso e gelado
sem tempo sem brisa sem cor sem som
e aparecem uns olhos esverdeados
que brilham e não são estrelas
são maiores que a escuridão e o frio
e você se agarra a eles a seu brilho
você acorda em sua cama e uns olhos verdes escuros
mais escuros que aquelas águas te olham
então você dorme e quase sonha e quase se aquece
e quase pensa que está salvo


(poema originariamente publicado no blog versos e perversos de luciano fraga )

24 comentários:

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana, voltei para lhe dizer que há um convite esperando por você lá no Sempre Poesia. Te aguardo. Bj.

Marcos Satoru Kawanami disse...

Adriana,

O poema inteiro é uma locução adverbial.

Assim, o suspense realça o desespero.


=D
Marcos

Marcos Satoru Kawanami disse...

que comentário interessante, o da Úrsula.

Lara Amaral disse...

Emocionante, amiga. Sentir-se guiada pelo medo... uma atração fatal pelo misterioso... Quantas sensações provocadas.

Beijos.

Talita Prates disse...

Que bonito, Adriana:
e a metáfora do pequeno bote no meio do mar
prepara muito bem para o clímax posterior.

Um bjo.

adolfo payés disse...

Hermosos versos..

Siempre es un inmenso placer leerte..
Suerte en todo..

Te dejo mis mejores vibraciones de paz para estas fiestas..

Un abrazo
Saludos fraternos..

Que tengas una maravillosa semana..

Hercília Fernandes disse...

Godoy,

lendo seu poema me veio uma vontade imensa de penetrar na [vasta] escuridão do mar só para alcançar esses olhos verdes, faróis de poesia...

Belíssimo, Amiga. Seu poema é puro onirismo!

Beijos :)
H.F.

Fred Matos disse...

Um poema de sonho.
Belo poema.
Parabéns, Adriana.
Beijos

[ rod ] ® disse...

nessa imensa confusão do ser em ter... do brilho que fere ao ser visto e do escuro nada escuro... nasce as perfeitas percepções... bjs moça.

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana,

quando passei por aqui da primeira vez, achei que já tinha comentado este poema. Desculpe-me a falha. O texto é de um lirismo absorvente trazendo elementos oníricos que embelezam o poema... Quanto á recusa ao convite que lhe fiz, não há com o que se preocupar, pois as indicaçoes foram apenas sugestivas sem caráter de obrigatoriedade, é claro. Já lhe respondi lá no meu blog OK ? Bj e uma ótima semana.

Marcelo Novaes disse...

Dri Godoy,


Ah..., esses olhares tão humanos que, por vezes, mimetizam estrelas...

Alçando-os assim como luminares, eles quererão se salvar nos teus próprios olhos [!].

Estás preparada para a reversão das expectativas de "quem salva quem"?!


;)



Beijos, amiga.







Marcelo.

Wilson Torres Nanini disse...

Como dizia Guimarães Rosa, "tem lugares em que é mais noite do que em outros". Mas você transforma escureza em uma plena forma de ver.

Adriana Karnal disse...

Adriana,
Adorei o poema, esses olhos verdes até podem salvar,não é? mas, nada é garantido...menos o amor.

Luciano Fraga disse...

Querida Adriana, guardo esta homenagem trancada a sete chaves, é muito, muito especial para mim, todas as vezes que leio, fecho os olhos...Muito obrigado minha preferida, beijo.

sopro, vento, ventania disse...

Adriana,
que bom essa sensação de quase pensar-se salvo. Que lindo o poema, dum magnetismo.
beijos,
CYnthia

José Carlos Brandão disse...

No meio da escuridão, a esperança. A escuridão brilha, é uma claridade disfarçada. Além do que não vemos, o inusitado amor, aconchego, paz. Do desespero nascem as asas com que voamos para dentro de nós. Um poema instigante: leva-nos a imaginar, a voar, a querer completar o sonho. Queremos fazer parte desse sonho.
Beijo.

Adriana Godoy disse...

Ei, gente! Só agora tive tempo de ler os comentários. Adorei. Agradeço de modo geral, mas cada um especificamente. Vocês fazem a diferença. Beijos.

Luciano, fico tão envaidecida que uma hora derreto. Beijos, poeta.

Mirse Maria disse...

Maravilhoso, Dri!

Luciano merece e você toca fundo a alma de quem a lê!

Beijão

Mirse

guru martins disse...

...faz parte
da caminhada
do herói
é inevitável
se não for assim
não desenvolve
as defesas
termina sendo
"vítima" e tem
o tempo todo
que ser amparado
pageado, protegido,
vira um Mané
um boi manso...

bj

Renata de Aragão Lopes disse...

Dri Godoy,

você e sua capacidade única
de pintar cenas
em versos...

Lindo!

Um beijo, querida!

tania não desista disse...

adriana querida!
na poesia...no poema...na iguaria do saber...na arte abstrata...
em algumas leituras...é o encanto da imaginação e interpretação pessoal que me traz um prazer
maior.
na leitura anterior...os olhos verdes eram esperança.
agora...sinto-os como coragem,
ponto de partida.
um ponta pé inicial!

bjos adriana
taniamariza

Tenório disse...

Sensacional! Um filme de suspense, muito cinematográfico o poema!

Realmente adorei.

Anita Mendes disse...

uma belezura esse teu poema ,drika!
gosto demais!!!
beijokas...
Ps: o rafael sempre arrazando nos desenhos!!!

Benny Franklin disse...

Amei o poema!
Bjs