quinta-feira, janeiro 15, 2009

pode ser

se esses olhos de pássaro continuarem me voando
se essa boca disser alguma palavra dócil
se essas mãos insinuarem algum caminho
se esse cheiro me lembrar manhãs de abril
pode ser que os grilhões se soltem
e a pedra que insiste em permanecer em meu peito
se dissolva em milhões de estrelas

10 comentários:

pianistaboxeador21 disse...

Êta poema danado de bonito. Uma pedra se dissolver em milhares de estrelas!

Acertou,

Abração,

Daniel

Luciano Fraga disse...

Nós costumamos solidificar tudo que nos cerca, sentimentos, emoções e nosso próprio ego, assim dissolvendo estas idéias, os conceitos,estrelas brilham para nós e tudo fica leve.Maravilha, abraço.

cra disse...

bonito

BAR DO BARDO disse...

Vosso lirismo me confrangeu as anáguas da bisavó Tutuca...

Branca disse...

Singelo...
gostei daqui...
bjo.

V.M.Paes disse...

Uma "de repente liberdade"...

gostei Adriana, como sempre gosto de passar por aqui.

beijo.

f@ disse...

Ou em biliões de areias e estrelas do mar misturadas com pérolas... que pérolas são as estrelas das nuvens...
Sublime o poema e o teu espaço

Obrigada pela visita

Beijinhos das nuvens

Erica Marie disse...

Que poema lindo!!!

Aliás, tudo por aqui é muitooooo bonito!!!

Linkei seu blog no meu, apareça por lá!!!!

Bjssssss :)

Barone disse...

Lindo.

Compulsão Diária disse...

Se é erro lógico mas é uma partícula que poetisas e poetas adoram. fiz um contra o se..depois me arrependio. ainda bem que vc resgatou pra mim;)