quarta-feira, agosto 13, 2008

Medonha

Os dias mansos.
A rotina que mata, esmaga, aniquila.
A rotina medonha, enganadora, cruel- a morte.
É pior que a morte.
É pior que estar sentado à beira de um rio
dia e noite
e não pescar nenhum peixe.
Porque há a espera.
Na rotina não se espera nada.
Apenas que o dia termine
E que comece um outro igual.
O menor movimento incomoda.
O menor deslize atordoa.
Uma noite em claro arrebenta.
A rotina vence.
Talvez vivamos por ela.
Mesmo que façamos algo diferente.
Sempre voltamos.
E quando é dada por vencida
Criamos outra mais forte.

3 comentários:

Santhiago Ramirez disse...

E quando é dada por vencida criamos outra mais forte?
Fiquei fascinado com isso! É a Hidra de Lerna do dia-a-dia...
Adorei seu espaço!
Beijos carinhosos do Thiago

daniel disse...

Adriana

Verso interessante!... Encerra um tema, que nos faz questionar, memo tendo em conta que sempre fugi, ou talvez por isso.
Daniel

Cunhadão disse...

Cunhadão, q q é aquilo aí em cima, o tal do Santhiago Ramirez????
O texto é muito bom, mas ele é beeeem melhor, kkkkkkkkkkkk.