segunda-feira, junho 09, 2008

Amaldiçoadas

Nesse domingo letárgico cismo em usar palavras mais elaboradas.
Elas aparecem como por encanto, saindo do abismo mais profundo da minha memória.
Elocubrações tortuosas de uma mente ociosa.
Algumas me parecem familiares, talvez encontradas nos livros de autores mais antigos, de séculos passados.
Outras; não tenho menor noção de seu significado, mas aparecem, como se me pertencessem.
Não ouso não usá-las, não ouso não atendê-las.
Talvez estejam amaldiçoadas.

Um comentário:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

AS palavras, quando surgem, devem ser postas no papel. Deixe-as lá e mais tarde viram um poema. Postei 2 coisas num post só. Vá lá, preciso dos seus comentários.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo,
RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO
RS: GOSTO DO SEU BLOG. QUANDO ESTIVER CANSADA, VIREI AQUI PARA RELAXAR!