quarta-feira, fevereiro 16, 2011

amanheceram estrelas

composição/ ricardo ferrari

essa noite não aconteceu
nem a seguinte

amanheceram estrelas
a cama azul
o travesseiro na forma de sua insensatez
seu cheiro perdido nas fronhas

banho frio, cabelos lavados
casa clara, café
cigarro na área aberta
música, livros, tevê

a vida podia ser boa
sem você aqui
e era, e foi

21 comentários:

Leonardo B. disse...

[e amanheceram dentro, os despojos da letra, essa tinta que não acontecendo, se verteu]

um imenso abraço, Adriana

Leonardo B.

Lara Amaral disse...

Que boa levada a desse poema:

"a cama azul
o travesseiro na forma de sua insensatez"

Amei!
Beijo.

byTONHO disse...



"Ah!
mãe nhe...nhe...nhe...
é ser e star!"

Desacontecimentos!

:)

Adolfo Payés disse...

Me dejas siempre con el aliento ante estos maravillosos poemas..

Un beso amiga.

Un abrazo
Saludos Fraternos...

Danilo de Abreu Lima disse...

adriana,
que belo e pungente poema de amor e desamor- as estórias que poderiam ter sido e que não foram-
os corpos delineando marcas nos travesseiros- os lençóis cheirando ao que se foi-
lindo, delicado e desalentado poema-
bem ao seu estilo: inconfundível, personalissimo e falando das dores e amores de todos nós e de todos os dias.
abraço, poeta...
danilo.

Felipe Marques disse...

Poem Blues!

Adorei! Dri!

Beijos!

Luciano Fraga disse...

Adriana, à vezes as coisas são assim,meio frustrantes...Belo e negro blues, beijo.

Assis Freitas disse...

como disse a Lara, o poema tem uma levada boa: de leveza é levado


beijo

Adriana Karnal disse...

é poesia, adri, poesia...q linda vc nessa nova foto!

Mauro Lúcio de Paula disse...

"seu cheiro perdido nas fronhas" faz-me viajar pelos cheiros que as paixões deixam na alma e na boca. A vida é sempre boa, sempre!
Adriana, gostaria de saber de onde você tira esses versos, só isso!
Um abraço de admirador.

Mirze Souza disse...

AI DRI!

Será que um dia vou viver esse sonho?

Que lindo amanhecer!

Beijos!

Mirze

Úrsula Avner disse...

Oi Dri,

bonito, nostálgico... Gostei muito ! Bj.

Anônimo disse...

Acho que não entendi, atleticana: cama azul amanhecida de estrelas???HA!!!!!Que seja...

Adriana Godoy disse...

Esse poeminha é meio sem graça, mas saiu como sempre, como um bocejo, como um espirro.

Mas gostei do tom azul, embora eu seja Atleticana, Galo Doido.


Beijo em cada um e que os dias sejam mais amenos, mais blues.

Suzana Martins disse...

E a poesia pinta em tons azuis o conhecer dos versos novos que o dia traz pra mim.

Beijos

Lily disse...

E o tamanho da cama é a imensidão exata do nosso vazio.

Olá!,

Prazer, moça! A Lara me apresentou você. Já fui de BH, não sou mais, agora, de qualquer lugar, qualquer lugar me cabe.

Um abraço,

Suzana/LILY

dade amorim disse...

Mesmo dorido, é leve e gostoso seu poema. Beijo.

Celso Mendes disse...

Vivemos também do que não foi. Poderia é combustível, é desejo de ser. Atrás da aparente resignação, sinto esse apelo. Gostei muito da leveza que imprimiu ao tema. Como gostei muito de conhecer seu espaço (graças à Larinha).

Abraços

CARLA STOPA disse...

Adorei teu espaço e vou ficando...Depois passa no
Escrevência...Ah, e feliz aniversário...

Henrique Pimenta disse...

Simplicidade pungente...
Poema bem escrito.

Anita Mendes disse...

um poema triunfante como as estrelas na cama azul! beiju