segunda-feira, janeiro 31, 2011

ciao

foto tirada em pompéia/arquivo pessoal

entre esculturas e catedrais
vinhos davis e cardeais
encontrei a itália
e me desfiz dos trópicos
pelo menos por quinze dias
vi cidades esculpidas pelo vulcão
mortos petrificados em seus movimentos cotidianos
igrejas franciscos claras miguel ângelo e da vinci
papas e filósofos em seus túmulos de mármore
ruínas gigantes toscana veneza florença
e a torre torta em agonia
praças e lojas finas a fonte que não seca
até joguei uma moeda
gente bonita e azeite da melhor qualidade
a história presente jogada em sua cara
me dei conta do frio que faz
na alma e tudo mais
quando sua terra fica além-mar
mas quando pus o pé na terrinha
o calor e o bar da esquina
e falei com a língua que é minha
pude ter certeza mais uma vez
que aqui é o meu lugar


ps: em breve volto a visitar os blogs preferidos, por enquanto não dá. beijo

24 comentários:

Wania disse...

Benvenuti, Dri

Que bom te ter de volta
Aqui é o teu lugar mesmo: a poesia estava com saudade e nós tb!
Lindos versos!




Agora... o "calor" desta nossa terrinha não existe em nenhum lugar do mundo...rsrsrs!

Bacio ;)

Mirze Souza disse...

DRI!

Aqui é nosso lugar, sim. Mas o banho de História que a Itália dá não existe.

Encontrou meu coração por lá?

Beijos, amiga querida!

Mirze

Vinícius Paes disse...

Seu, meu, nosso lugar, pitoresca-brasilis.
Bom te-la de volta, Adriana.

beijos.

Vinícius Paes disse...

Seu, meu, nosso lugar, pitoresca-brasilis.
Bom te-la de volta, Adriana.

beijos.

tonhOliveira disse...



Tudo é BOM!
Aqui e agora...

Gostei da síntese do teu TOUR.

Mas o mais importante
é a "mexida" que isto causou em ti!
E este texto é uma prova disto.

Beijos!

Assis Freitas disse...

é isso, a raiz alimenta a árvore

beijo

Luciano disse...

lindo, lindo, lindo... gracias pela viagem poética.
beijos, menina

On The Rocks disse...

viagem altamente poética!

e que bom que você voltou.

bj

Lara Amaral disse...

Ah, que lindo, Dri! Bom demais viajar e voltar renovada assim.

Bom tê-la de novo.

Beijo!

mario cezar disse...

o poema é: rastro de flor? estalo do beijo do amor(mesmo depenado)? ranger de ossos sob a escuridão da casa? hálito de girassois? o que é o poema? o fogo do abraço? um caco de vidro ao pé da cerca? uma sonata? o gesto da carne roída?

guru martins disse...

...bienvenida!!!

beso

BAR DO BARDO disse...

hehehe...

Adriana Godoy disse...

Pois é, pessoal! Aos poucos vou pegando o jeito...Voltei a trabalhar e o negócio não tá nada fácil. Meu tempo anda curtíssimo, mas em breve me organizo e volto a ler os blogs de vcs que tanto me emocionam. Obrigada pelas palavras carinhosas. Beijo

mario cezar disse...

outro dia vi teu nome(sopro de girassóis , dentro da aurora)

Danilo de Abreu Lima disse...

adriana,
bom mesmo é vivezr a vida presente- noosso prewsente é poder respirar, amar, sentir, viver casa segundo, como se fosse o primeiro de nossas vidas... o passado foi belo, as igrejas, os franciscos, as claras, os monumentos, os mitos, mas tudo isso passou no vão do tempo...pó poeira petrificações putrefações... bom é como diz vc. poder sorver o gole no boyeco da esaquina e beber a vida, como se fosse o mais calido dos vinhos...
que bom que vc. voltou... e já me visitou...
deixa eu te falar...tô com um blog www.poetasdesegunda.blogspot.com, com o desejo de publicar texstos de gente que gosto... peço licença: posso publicar alguns seus lá? a intenção é publicar às segundas...mas não sou muito ortodoxo, publico qualquer dia...
tô autorizado?
passaz lá, quando puder, tamb´pem no devoradordepalavras.blogspost.com...
grande abraço-
Danilo.

Adriana Godoy disse...

Danilo, é claro que pode....será um prazer! Agradeço sua visita especialíssima. Beijo

Renata de Aragão Lopes disse...

Dri,
o prazer da língua pátria é unico!

A mesma sensação que tive
ao escrever "Brasil".

Grande abraço,
Doce de Lira

José Carlos Brandão disse...

Minha pátria é a minha língua, não é?
Ou textualmente: A minha pátria é a língua portuguesa.
Mas é bom tomar um banho de cultura, pelo menos para depois se olhar no espelho e dizer: Esta é a minha cara.
Beijo.

nydia bonetti disse...

Brandão tem razão, Adriana. Cada vez mais me convenço, que a pátria é a língua - a maior identidade, sempre. bjs!

Marcos Satoru Kawanami disse...

eu nunca estive na Itália.

Luciano Fraga disse...

Querida Adriana, que beleza! De volta a casa, "minha terra tem palmeiras..." "só deixo o meu Cariri no último pau de arara...", beijo.

Adriana Karnal disse...

Dri,
ah, de volta a terrinha...e a poesia..se bem q a Itália é pura poesia...bj

Úrsula Avner disse...

Oi Adriana,

versos serenos e bonitos como as paisagens da Itália ( imagino eu) ... Obrigada pelo carinho tão importante, sobretudo nos momentos difíceis. Bj.

Talita Prates disse...

que maravilha, Dri!
adorei teu "diário de bordo" como uma ode à terra natal!

saudades!

Tatá.