terça-feira, janeiro 22, 2008

Nessa hora

estudo para aquarela/ mulher deitada/ rafael godoy
Nessa hora a chuva cai.
Não tenho planos, não penso o que vou fazer amanhã, muito menos daqui a alguns meses. Meus filhos estão longe, a casa vazia.
Meus gatos me olham e parecem dizer: será que ela não vai fazer nada? E ao mesmo tempo gostam da minha presença, aninham-se aos meus pés.
Não consigo procurar amigos e nem parentes. Nem fazer qualquer coisa para comer. Quando me dá fome, tomo um café que está ali, ao meu alcance e mastigo um pão de forma velho com manteiga.
A geladeira , como disse alguém, um deserto frio e árido. Não tem bebida, nem vinho, nem cerveja. O cigarro me acompanha em meus devaneios. Gosto de chegar na área e olhar a chuva.
Busco compreender algumas coisas em mim, mas isso também passa. Não estou alegre, nem triste, nem nada. O telefone toca e é uma promessa de uma noite de amor. Não quero também. Tenho que me vestir, me arrumar, sair de casa ou preparar a casa para alguém. Então dou uma desculpa qualquer e fujo de qualquer compromisso. Gosto da casa assim, com a cama desfeita, mas aconchegante. Com algumas coisas fora do lugar, que fui eu que deixei. Os livros ali, assim jogados. Leio, mas não me prendo a nenhum. Um poema aqui, outro lá. Trechos de obras já lidas. Às vezes um livro inteiro em poucas horas. Mas é assim que gosto. Vejo tevê e procuro alguma coisa que preste. É difícil, mas consigo. Também, se quiser, mudo o canal a qualquer momento e brinco com as imagens. Ouço uma música que há muito não escuto e me surpreendo: como eu gostava daquela música! E acho uma merda. Durmo em alguns momentos e tenho sonhos estranhos, como ir ao fundo de uma piscina funda, muito funda, cheia de folhas e lama e conseguir voltar à superfície, ilesa. E quando volto à tevê, assisto a uma cena semelhante. Só que o cara não teve a mesma sorte. Afogou-se.
Tocam o interfone. Pode ser o gás, o correio, alguém pedindo alguma coisa, ou mesmo, um amigo. Mas não atendo. Não quero sair dessa inércia. Parece que a chuva parou. E eu parada aqui e os gatos me olham.

5 comentários:

Anônimo disse...

Ei Dri, bom o texto, principalmente para os leitores que conhecem o Zenith, e você, é claro. Imagino perfeitamente tudo, os livros, o gato, a geladeira que nos engole - quando o normal é exatamento o contrário -, você e seus anseios divididos com um Carlton Red.
Parabéns e um beijo do Toco.

driaguida disse...

Valeu, Toco. Acho que pegaste o espírito da coisa, ou do Zenith ou de mim. Beijos. Dri

Cunhadão disse...

Cunhadão,
aaamo este momento de pura contemplação, interiorização, intimidade ou seja lá o q for. Pra mim isso se chama liberdade, escolha. Adoro qd consigo viver estes raros momentos q são quase impossíveis de existir. Foi bom vir já q hj, exatamente pq estou vivendo isso: com enoooorme alegria.
Bjão

Cunhadão disse...

Corrigindo: Foi bom vir a q hj já q estou vivendo exatamente isso: com enoooorme alegria.

Anônimo disse...

Nó, que saudade que deu do Zenith...
Aquele cheiro de pelo de gato.
Aquela geladeira com garrafas de água vazia...
Bom demais